5 dicas para um bom orçamento familiar

Como fazer um orçamento familiar
Como fazer um orçamento familiar

Um orçamento familiar é uma ferramenta que ajuda a planejar e controlar as receitas e despesas de uma família, de acordo com seus objetivos e necessidades. 

Confira as 5 dicas 

Para fazer um orçamento familiar, você precisa seguir alguns passos simples, mas importantes. Veja a seguir:

1. Defina seus objetivos financeiros

O primeiro passo para fazer um orçamento familiar é definir quais são seus objetivos financeiros. Você quer economizar para comprar uma casa, fazer uma viagem, pagar dívidas, investir ou ter uma reserva de emergência? Seja qual for o seu objetivo, ele deve ser claro, específico, mensurável, alcançável, relevante e temporal. Por exemplo: “Eu quero economizar R$ 10.000 em 12 meses para fazer uma viagem à Europa”.

2. Calcule sua renda líquida

O segundo passo para fazer um orçamento familiar é calcular sua renda líquida mensal. A renda líquida é o valor que você recebe depois de descontar os impostos, as contribuições sociais e outros descontos obrigatórios. Para calcular sua renda líquida, você pode usar um aplicativo de finanças pessoais, uma planilha ou uma calculadora online. Por exemplo: se você recebe R$ 3.000 de salário bruto e tem R$ 500 de descontos, sua renda líquida é R$ 2.500.

3. Liste suas despesas fixas e variáveis

O terceiro passo para fazer um orçamento familiar é listar todas as suas despesas fixas e variáveis. As despesas fixas são aquelas que não mudam de valor ou que têm um valor mínimo a ser pago todo mês, como aluguel, condomínio, água, luz, internet, telefone, escola, plano de saúde, seguro, etc. As despesas variáveis são aquelas que mudam de valor conforme o seu consumo ou necessidade, como alimentação, transporte, lazer, roupas, cosméticos, presentes, etc.

Para listar suas despesas fixas e variáveis, você pode usar os extratos bancários, as faturas dos cartões de crédito e os recibos das compras dos últimos três meses. Você também pode usar um aplicativo de finanças pessoais ou uma planilha para categorizar e registrar suas despesas. Por exemplo: se você gasta R$ 1.000 de aluguel, R$ 500 de condomínio e R$ 200 de água todo mês, essas são suas despesas fixas. Se você gasta R$ 600 de alimentação, R$ 300 de transporte e R$ 400 de lazer em média por mês, essas são suas despesas variáveis.

4. Subtraia suas despesas da sua renda

O quarto passo para fazer um orçamento familiar é subtrair suas despesas da sua renda líquida mensal. O resultado dessa operação é o seu saldo orçamentário. Se o seu saldo for positivo, significa que você tem uma sobra de dinheiro no final do mês. Se o seu saldo for negativo, significa que você está gastando mais do que ganha e precisa ajustar seu orçamento.

Para subtrair suas despesas da sua renda líquida mensal, você pode usar uma calculadora ou uma planilha. Por exemplo: se a sua renda líquida é R$ 2.500 e suas despesas fixas são R$ 1.700 e suas despesas variáveis são R$ 1.300, o seu saldo orçamentário é R$ -500 (R$ 2.500 – R$ 1.700 – R$ 1.300).

5. Ajuste seu orçamento

O quinto e último passo para fazer um orçamento familiar é ajustar seu orçamento conforme o seu saldo orçamentário e os seus objetivos financeiros. Se o seu saldo for positivo, você pode destinar uma parte da sua sobra para poupar ou investir para alcançar seus objetivos. Se o seu saldo for negativo, você precisa reduzir suas despesas ou aumentar sua renda para equilibrar seu orçamento.

Para ajustar seu orçamento, você pode usar algumas estratégias, como:

  • Comparar preços e buscar descontos nas compras
  • Negociar as taxas e os juros dos serviços financeiros
  • Trocar produtos e serviços mais caros por opções mais baratas ou gratuitas
  • Vender itens que não usa mais ou alugar espaços que não utiliza
  • Fazer uma renda extra com um trabalho paralelo ou um hobby
  • Revisar seu orçamento periodicamente e fazer os ajustes necessários

Quais são os benefícios de ter um orçamento familiar

Ter um orçamento familiar traz vários benefícios para a sua vida financeira e pessoal. Veja alguns deles:

  • Você tem mais controle sobre o seu dinheiro e sabe para onde ele está indo
  • Você consegue planejar e realizar seus sonhos e projetos de curto, médio e longo prazo
  • Você evita dívidas, juros e multas que comprometem sua renda e seu patrimônio
  • Você se prepara para imprevistos e emergências que podem afetar sua estabilidade financeira
  • Você melhora sua qualidade de vida e seu bem-estar, reduzindo o estresse e a ansiedade causados pelo dinheiro

Como manter seu orçamento familiar atualizado

Fazer um orçamento familiar é apenas o primeiro passo para ter uma vida financeira saudável. Você também precisa manter seu orçamento atualizado, acompanhando seus ganhos e gastos, avaliando seus resultados e fazendo as correções necessárias. Para manter seu orçamento familiar atualizado, siga estas dicas:

  • Registre todas as suas receitas e despesas diariamente, usando um aplicativo de finanças pessoais, uma planilha ou um caderno
  • Analise seu orçamento semanal

Como fazer um orçamento familiar

Um orçamento familiar é uma ferramenta que ajuda a planejar e controlar as receitas e despesas de uma família, de acordo com seus objetivos e necessidades. Um orçamento familiar bem feito pode trazer vários benefícios, como economizar dinheiro, evitar dívidas, investir no futuro e melhorar a qualidade de vida.

Para fazer um orçamento familiar, é preciso seguir alguns passos básicos:

1. Identificar as fontes de renda

O primeiro passo é saber quanto dinheiro entra na família por mês, considerando todos os tipos de renda, como salários, pensões, aluguéis, rendimentos de investimentos, etc. É importante registrar todas as entradas de dinheiro, mesmo que sejam eventuais ou variáveis.

2. Listar as despesas fixas e variáveis

O segundo passo é anotar todos os gastos da família por mês, separando-os em duas categorias: as despesas fixas e as despesas variáveis. As despesas fixas são aquelas que têm um valor definido e que ocorrem todos os meses, como aluguel, condomínio, prestação da casa ou do carro, escola dos filhos, plano de saúde, etc. As despesas variáveis são aquelas que podem mudar de valor ou de frequência, como alimentação, transporte, lazer, roupas, etc.

3. Comparar a renda e as despesas

O terceiro passo é fazer a comparação entre a renda e as despesas da família, para verificar se há equilíbrio ou não. Se a renda for maior do que as despesas, significa que há um saldo positivo, ou seja, sobra dinheiro no final do mês. Caso seja menor do que as despesas, significa que há um saldo negativo, ou seja, falta dinheiro no final do mês. E se for igual às despesas, significa que há um equilíbrio, mas sem margem para imprevistos ou para poupar.

4. Estabelecer metas e prioridades

O quarto passo é definir quais são os objetivos e as necessidades da família, tanto no curto quanto no longo prazo. Por exemplo, quitar uma dívida, fazer uma viagem, comprar um eletrodoméstico novo, fazer uma reserva de emergência, poupar para a aposentadoria, etc. Para cada meta, é preciso estimar o valor necessário e o prazo para alcançá-la.

5. Ajustar o orçamento

O quinto passo é fazer os ajustes necessários no orçamento para que ele se adeque às metas e às prioridades da família. Isso pode envolver cortar ou reduzir algumas despesas desnecessárias ou supérfluas, buscar formas de aumentar a renda (como fazer um trabalho extra ou vender algo que não usa mais), negociar dívidas com juros altos ou parcelar compras grandes.

6. Acompanhar e revisar o orçamento

O sexto passo é monitorar e avaliar o orçamento periodicamente, para verificar se ele está sendo cumprido e se está trazendo os resultados esperados. É importante registrar todas as entradas e saídas de dinheiro em uma planilha ou em um aplicativo de controle financeiro, para ter uma visão clara da situação financeira da família. Também é importante revisar o orçamento sempre que houver alguma mudança significativa na renda ou nas despesas da família.

Seguindo esses passos simples, é possível fazer um orçamento familiar eficiente e adequado à realidade de cada família. Um orçamento familiar bem feito pode ajudar a melhorar a gestão financeira da família, a evitar o endividamento, a realizar sonhos e a garantir uma vida mais tranquila e feliz.

Controle de gastos

Para controlar seus gastos, siga algumas dicas práticas, como:

> Identificar as fontes de renda

Observe quanto dinheiro entra na sua conta por mês, considerando todos os tipos de renda, como salários, pensões, aluguéis, rendimentos de investimentos, etc.

> Listar as despesas fixas e variáveis

Anote todos os gastos que você tem por mês, separando-os em duas categorias: as despesas fixas e as despesas variáveis. As despesas fixas são aquelas que têm um valor definido e que ocorrem todos os meses, como aluguel, condomínio, prestação da casa ou do carro, escola dos filhos, plano de saúde, etc. As despesas variáveis são aquelas que podem mudar de valor ou de frequência, como alimentação, transporte, lazer, roupas, etc.

> Comparar a renda e as despesas

Faça comparações entre a renda e as despesas, para verificar se há equilíbrio ou não. Se a renda for maior do que as despesas, significa que há um saldo positivo, ou seja, sobra dinheiro no final do mês. Caso seja menor do que as despesas, significa que há um saldo negativo, ou seja, falta dinheiro no final do mês. E se for igual às despesas, significa que há um equilíbrio, mas sem margem para imprevistos ou para poupar.

> Estabelecer metas e prioridades

Defina quais são os seus objetivos e as suas necessidades financeiras, tanto no curto quanto no longo prazo. Por exemplo, quitar uma dívida, fazer uma viagem, comprar um eletrodoméstico novo, fazer uma reserva de emergência, poupar para a aposentadoria, etc. Para cada meta, é preciso estimar o valor necessário e o prazo para alcançá-la.

> Ajustar o orçamento

Faça os ajustes necessários no orçamento para que ele se adeque às suas metas e às suas prioridades. Isso pode envolver cortar ou reduzir algumas despesas desnecessárias ou supérfluas, buscar formas de aumentar a renda (como fazer um trabalho extra ou vender algo que não usa mais), negociar dívidas com juros altos ou parcelar compras grandes.

> Acompanhar e revisar o orçamento

Monitore e avalie o orçamento periodicamente, para verificar se ele está sendo cumprido e se está trazendo os resultados esperados. É importante registrar todas as entradas e saídas de dinheiro em uma planilha ou em um aplicativo de controle financeiro, para ter uma visão clara da sua situação financeira. Também é importante revisar o orçamento sempre que houver alguma mudança significativa na sua renda ou nas suas despesas. 

O que fazer em caso de emergência financeira?

Uma emergência financeira é uma situação inesperada e urgente que exige um gasto extra de dinheiro, como um acidente, uma doença, um desemprego, um conserto ou uma multa. Uma emergência financeira pode causar muito estresse e ansiedade, além de comprometer o orçamento e a saúde financeira.

Para lidar com uma emergência financeira, é preciso ter calma e planejamento. Algumas dicas que podem ajudar são:

> Avaliar a situação

Entender a gravidade e a urgência da emergência financeira, e quais são as possíveis soluções. Por exemplo, se o problema é um carro quebrado, é preciso saber qual é o custo do conserto, se há garantia ou seguro, se é possível usar outro meio de transporte, etc.

> Usar a reserva de emergência

Se você tem uma reserva de emergência, ou seja, um dinheiro guardado para situações imprevistas, esse é o momento de usá-la. A reserva de emergência deve ser suficiente para cobrir pelo menos seis meses de gastos essenciais, como moradia, alimentação, saúde e educação. A reserva de emergência deve estar em um investimento seguro, líquido e com baixa volatilidade, como o Tesouro Selic ou o CDB com liquidez diária.

> Cortar gastos desnecessários

Se você não tem uma reserva de emergência, ou se ela não é suficiente para cobrir a emergência financeira, é preciso reduzir ao máximo os gastos que não são essenciais, como lazer, compras, assinaturas, etc. Isso pode ajudar a liberar mais dinheiro para resolver o problema e evitar o endividamento.

> Negociar dívidas e contas

Se você já tem dívidas ou contas a pagar, é importante negociar com os credores e fornecedores para tentar obter melhores condições de pagamento, como prazos maiores, juros menores ou descontos. Isso pode ajudar a aliviar o orçamento e evitar o acúmulo de mais dívidas.

> Buscar fontes alternativas de renda

Se você perdeu a sua fonte principal de renda por causa da emergência financeira, ou se ela não é suficiente para cobrir os gastos extras, é preciso buscar outras formas de ganhar dinheiro. Por exemplo, você pode fazer um trabalho extra, vender algo que não usa mais, alugar um espaço que está vazio, etc.

> Procurar apoio emocional e profissional

Uma emergência financeira pode afetar não só o seu bolso, mas também a sua saúde mental e emocional. Por isso, é importante procurar apoio de pessoas próximas, como familiares e amigos, que possam te ajudar a enfrentar o problema com mais tranquilidade e confiança. Além disso, se necessário, procure ajuda profissional de um psicólogo ou de um consultor financeiro.

Leia também: Como limpar o nome e sair da inadimplência

Você pode consultar mais informações nos links abaixo:

1 thought on “5 dicas para um bom orçamento familiar”

  1. Pingback: Apps para organizar as finanças pessoais

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

twenty − 5 =

Scroll to Top